O “se” apassivante

Tenho verificado a insistência obstinada do uso do ‘se’ apassivante, levando-me a concluir que os falantes que lhe dão este uso incorrecto, de alto gabarito, pois  – jornalistas,  escritores, literatos e até, quiçá, linguistas, pressupõem que este ‘se’ não será mais do que um pronome indefinido, capaz de exercer, sintacticamente, a função de sujeito..
Como se trata de matéria bastantemente tratada noTento na Língua!… (Cf. Rubricas 21, 22 e 146), lembrei-me de trazer para aqui o assunto, transcrevendo integralmente a primeira (21). Mas convinha que os eventualmente interessados lessem também as outras duas…

“Há erros linguísticos que são dados por falantes de prestígio notável. E quanto maior for o prestígio mais facilmente os erros  se “pegam” como carraças aos outros falantes, incautos, inseguros ou que desconhecem as razões dos mestres em que nos apoiamos. Dos mestres e das regras que eles aconselharam ao legislador…

Transcrevo:
– de uma entrevista de personalidade muito conhecida: “… É como as anedotas. Tira-se os alentejanos, põe-se os belgas.” (1)
– de uma crónica de conhecido político: “… se abre um novo capítulo e que nele se pode escrever novas páginas.” (2).
Como deveria ser?
(1) Tiram-se os alentejanos, põem-se os belgas.
(2) …e que nele se podem escrever novas páginas.

A incorrecção vem, certamente, de se pensar que este “se” equivale ao “on” francês. Mas não equivale. Até porque o nosso “se” não é  nunca  sujeito sintáctico, como acontece com o tal “on”  que, em português só pode ter equivalente em expressões como: a gente, alguém. a pessoa, com valor pronominal: A gente faz; alguém faz; a pessoa faz (= “on fait”).  Para os casos em apreço, temos a nossa “partícula apassivante” – “se”. Apassivante, porque a expressão verbal em que ela entra equivale a forma passiva. Voltemos ao exemplo (2): “… que nele se podem escrever novas páginas” = “… que nele podem ser escritas novas páginas. É a eterna questão de: “vendem-se (=são vendidas) casas”; “dizem-se (=são ditas) coisas”; “fazem-se (=são feitas) maravilhas.” O agente da passiva, nestes casos, é indeterminado, precisamente porque se poderia reduzir a frase a uma forma activa de sujeito indeterminado, com uma das expressões pronominais acima referidas. “Passiva impessoal” lhe chama, por exemplo, A. Afonso Borregana (Vid. Gramática, referida na rubrica 22). Dizem-se coisas =Alguém diz coisas. Agora, “Se diz coisas”  (“se” – sujeito, “diz” – predicado, “coisas” – comp. directo?…), não, já que o “se”, originalmente pronome reflexo,  nunca poderia ser sujeito.
É assim que os nossos gramáticos (com irrelevantes excepções…) nos têm ensinado. Eis alguns, da década de quarenta para cá e que tenho aqui à mão, tendo  os dois primeiros funcionado praticamente como livro  único durante décadas…  (Ver desenvolvimento deste tema nas rubricas 22 e 146)”.
Mas não me vou embora sem deixar aqui um de tantos exemplos dos que recentemente tenho encontrado nos jornais e revistas que leio:

“[…] Com o aeroporto, com o TGV, com as grandes obras que se anuncia , vem aí investimento público suficiente…” (DN 27/4/08, p. 4, numa pergunta em grande entrevista com um político. )

Obras que se anuncia?! Não! Obras que se anunciam (=são anunciadas).
Este é um daqueles casos cuja solução aqui apresentada se baseia não só na generalidade dos mestres gramáticos, como também no uso corrente dos falantes, mesmo sem elevada  escolaridade…

Anúncios

One thought on “O “se” apassivante

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s