Premissas / (permissas) – parónimos e outras coisas

Põe-se, no título, a segunda parónima entre parênteses, porque praticamente essa palavra não se usa. Basta dizer que, procurando em todos os dicionários que rodeiam a minha mesa de trabalho, apenas a encontrei registada no de José Pedro Machado 7 volumes, para dizer que é ‘o m. q. premissa’, o que a mim me oferece alguma dúvida, e na G. Enc. Port. e Bras. , justificando, a palavra assim usada por Castilho, (Fastos, II, Nota D, p. 214). Mas, não seria para considerarmos que é mau uso desses dois autores (Que diabo! Até o papa se engana! Quanto mais um escritor, por ‘grande escritor’ que ele seja!). Partimos, então, do princípio de que permissa(s) não se usa mais na nossa língua, a não ser como adulteração da palavra primícia(s) (D. Lello Prático Ilustrado). Se se usasse, seria parónima de premissa, de largo uso na linguagem filosófica, e que, esta sim, todos os dicionários registam como: “Cada uma das duas proposições, maior e menor, de um silogismo”, “antecedente lógico de uma conclusão”.

Linguisticamente, o caso é parecido com o da rubrica 472 ( vide ‘prefeito / perfeito’): a pequenina diferença entre os prefixos ‘pre-‘ e ‘per-‘ (das preposições/prefixos latinos: prae- e per- que entram na formação, respectivamente, dos verbos latinos praemittere, praemisi, praemissum (= enviar antes) e permittere, permisi, permissum (= permitir).

Vem tudo isto a propósito de uma gralha encontrada no editorial do DN de 4 de Dezembro último:  “o Ministério […] alterou muitas das suas permissas [sic] e sentou-se à mesa para negociar”. Deveras, considero-a gralha, porque, sabido que normalmente o editorial de jornal é atribuível ao director, nem pela cabeça me passou que o competente jornalista João Marcelino (como tal o considero, na minha leitura diária do DN) cometesse um lapso destes a não ser por gralha, decerto atribuível à revisão… E, já que estamos com os olhos nas gralhas, não se perca estoutra (nem por azar!), no início da 2ª frase do último parágrafo: “Rogando-se o direito…” [sic] por “arrogando-se o direito”.

E porque dei eu tanta importância ao editorial desse dia? Porque quis verificar se ele insistia na linha editorial que está bem visível desde o princípio do 3º parágrafo: “Mas sindicatos e professores insistiram numa posição de irredutibilidade inadmissível. Rogando-se [sic] o direito de impor condições ao Governo…” É claro que, assim, o leitor é inclinado (levado?…) a ver o jornal como um durão guarda-costas do establishment. Editorial, pois, com pechas na forma e no conteúdo…

Mas o que me parece merecer aqui realce é chamar a atenção de quem queira estar atento para o facto de o jornal, na linha editorial e de opinião, v. g. a maior parte dos cronistas estarem em uníssono com as ideias bem à mostra, carregadamente à mostra: “insistiram numa posição de irredutibilidade inadmissível.” E esta “irredutibilidade inadmissível” dos editoriais (virado o feitiço contra o feiticeiro…), só pode ser atribuível ao director ou outro jornalista de serviço (isto é, mandado) ou, no limite, à LUSA, dona do órgão. Mas nem tudo nele é irredutível e, ao menos valha-nos isso, a parte noticiosa não está nada ‘irredutível’ e muito menos ‘inadmissível’. Em todo o caso, isto dá para vermos de que lado estão os jornais, alguns jornais, entre os quais o DN! Com ou sem isenção.

Seria caso para perguntar: quem é que se arroga aqui algum direito de impor seja o que for? Francamente, deveria ser proibido certos editoriais e certas crónicas serem lidos por algum professor e mais ainda por algum professor habituado ao ‘vício’ de corrigir…

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: