“… não vá os jornalistas pensarem”

…não os jornalistas pensarem que foi desligado por questões ideológicas” (DN 13/09/2009, p 3 , ‘caixa’ ao cimo, na grande entrevista com Louçã, negrito nosso).

São óbvias as distracções de quem redigiu a frase de que se extrai a oração transcrita neste título. E são duas:

1) “vá”, que devia ser vão, porque o verbo tem como sujeito (no caso, pospositivo) “os jornalistas”;
2) “pensarem”, porque se trata de uma construção perifrástica ir pensar. Ora, numa conjugação perifrástica, a conjugação verbal fica por conta do auxiliar (no caso, ir), mantendo-se o verbo principal invariável no infinitivo impessoal.

Espero que todos vós vades pensar no caso. Não vá alguém dizer que alguns de nós não foram pensar. Aqueles que não forem pensar, só ficarão a perder.

Alguém terá, pois, de rever duas coisas: a conjugação perifrástica e o uso do infinitivo (pessoal e impessoal).

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: