“Que” sujeito e o verbo

Tinha acabado de ler o jornal e aquele último parágrafo do editorial, primeiro texto, massacrava-me o miolo gramatical. Vejam:

É daqueles episódios que acabará por penalizar ambos […]”. (Primeiro texto, início do último parágrafo,  Editorial, DN 26/9/2010)

Na oração relativa, sendo  o sujeito ‘que’ com antecedente no plural, não dizem as gramáticas, desde tempos imemoriais, que o verbo concorda com o antecedente do relativo? E qual é o antecedente? Sem dúvida, ‘episódios’. Então, se as gramáticas não estão erradas, o verbo terá de ser ‘acabarão’. Ou não? Mas este é um erro que grassa por aí como manteiga em pano…

Cheguei a casa e pus-me a ouvir “Amor é”. Sempre que posso, o Professor e a Inês têm-me lá. Não só para “a missa do Amor” dita pelo Sábio ajudado pela Inês, como para ouvir alguém na Rádio que trata por tu a Língua Portuguesa usando-a com aquela expressão e clareza que antigamente se aprendiam na escola e na leitura de bons autores. Apenas com uma pequena reserva: os finais, às vezes, da melodia prosódica em termo da frase, de modo que seja  bem entendível até ao último fonema, o ultimozinho mesmo, tudo bem pronunciado: palavra, sílaba até ao final da última. Mas isso, na Antena 1, só locutores como Filomena Crespo ou Júlio Isidro, com a sua boa voz, usada, na locução, modelar e modularmente…

Eis senão quando,…

Eu sou daqueles que acha” (“Amor é”, Antena 1, 26/9/2010).

Pois! O mais pintado professor, de português que fosse, está sempre sujeito a deixar-se contaminar pelo erro que por aí anda generalizado: “Eu sou dos que faz”; “Eu sou dos que faço (também se usa muito por aí); “Tu és daqueles que fazes”; “Nós somos dos que fazemos”. Tudo errado! Então como deve ser? Como se ensinava antigamente e as gramáticas ainda hoje registam. Vejam. Sintaxe, concordância do verbo quando o ‘que’ é sujeito: “Eu sou dos que acham”, “Tu és daqueles que fazem”,  “Nós somos dos que amam a sério”, etc.

Para não se enganarem, não se esqueçam de, antes que o verbo saia mal, uma rápida espreitadela ao antecedente do ‘que’.

O nosso muito obrigado, ao Professor, extensivo à boa Inês!

(E a propósito, para quando uma abordagem, à séria, do sexo e do amor dos mais velhinhos?! Também não são gente?! Já não amam? Não têm sexo?…)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s