Duas postagens, uma proposta e um reparo sindical

1. LÍNGUA: O ESCÁRNIO.
É um espectáculo de escárnio e maldizer. De escárnio, pois! Então, não? Pega-se num jornal (DN, por exemplo), seja ou não seja de referência (não se sabe bem de que referência… mas vamos lá: de referência, então). A gente vê que a maior parte dos textos seguem essa baralhada ortográfica a que chamam ‘acordo’ (eu chamo-lhe, simplesmente, ‘nem-brasileiro’). Mas, quando se chega às crónicas, ou seja, aos chamados colunistas, aí, deparamos com a língua portuguesa, escrita por bons cultores da língua, os melhores, se tivermos em conta todos os escritos do jornal. E, justamente, esses textos, numa percentagem para aí de 90%, trazem, ao fim, uma notinha onde se lê, por estas ou outras palavras que querem dizer o mesmo: “Por decisão pessoal do autor, este texto não segue a ortografia do [assim chamado] Acordo Ortográfico” (“assim chamado” é meu].

Quanto aos textos ortografados em meio-brasileiro, a gente sabe: os donos do jornal mandaram e os funcionários (jornalistas ou fazendo de conta…), cumprem a ordem, por imposição ou autocensura, claro.

E a gente pensa e diz: é isto um jornal de língua portuguesa?! Não, não é um jornal em língua portuguesa: é um escárnio à língua portuguesa! Escárnio, porque, precisamente, dentre os escreventes de todas aquelas páginas, os que, em nosso entender, melhor dominam a língua escrita, quiçá os que a cultivam com mais mestria – os colunistas – “tomam a decisão de não obedecer ao ‘acordo’, ou melhor, ao ‘desacordo’. Escrevem a língua como entendem que ela deve ser escrita hoje.

E, depois de folhearmos todo o jornal, só nos apetece dizer: então, é isto um jornal português?! Não! Isto é um escárnio à língua portuguesa!

2. LÍNGUA: A RECONQUISTA.
Depois da nomeação de Vasco Graça Moura (VGM) para o Centro Cultural de Belém, lembrei-me de compor uma postagem para o meu blogue, com este título: “E agora, Vasco?!”

Não o fiz. E o processo tem-se desenvolvido com uma rapidez tal que decidi para o texto este título que aí está: Língua: a reconquista..

Primeiro foi VGM em Belém. Agora é já a Universidade Clássica de Lisboa. (Que dois grandes bastiões!) E todas as outras instituições, do mesmo nível e da mesma responsabilidade, estão à espera de quê? Que Afonso Henriques volte com a sua espada, para, castelo a castelo, operar, com a sua força, a Reconquista da Língua? Que bela oportunidade perdeu a cidade de Henriques – Guimarães – Capital Europeia da Cultura! E as outras? A começar pelas escolas. Não tenham medo, que as editoras vão atrás. Ai não, não vão! Cidadãos, percam todos o medo, tenham coragem! Ou então, como diria o outro: não sejam piegas!

Vamos repor a nossa Língua!

3. A PROPOSTA.
Insistindo na ideia do ponto 1, é um espectáculo deprimente o que nos estão oferecendo a maior parte dos jornais deste País, do país de língua portuguesa: é que, na maior parte deles, não se chega bem a saber qual a língua: se o português, se o brasileiro, se uma mistela de português e brasileiro. (Sem qualquer obrigação: mais papistas que o papa?…). Também se refere lá que os que pressupostamente melhor dominam o português, ou seja, os escribas colunistas (aí pelos 90%), declaram em nota, no final do respectivo texto, que não “adotam” o AO, mas adoptam sim a “ortografia antiga”, querendo com isto dizer a ortografia da reforma de 45. Et pour cause! Eles é que têm razão, porque, à excepção dos seus textos, o resto é uma salgalhada que ninguém domina (nem pode dominar!) e que, também “adotada” em locais oficiais e nas escolas, só serve para atrasar a aprendizagem do ler e do escrever o português!

Sendo assim, aqui se propõe ao GRUPO LENA que dê ordem para que, em em todos os órgãos da Imprensa do seu domínio, se adopte obrigatoriamente a ortografia de 45, seguindo o exemplo do Centro Cultural de Belém, presidido por Vasco Graça Moura, e parece que também da Faculdade de Letras de Universidade Clássica de Lisboa. Estou muito triste com a revista do meu sindicato Escola Informação – SPGL. António Avelãs é director na fotografia, mas o texto é “escrito conforme o novo Acordo Ortográfico”. O Correio de Pombal, cujo prestigiado director, conhecido grande cronista e mais um bom cultor das letras, não tem problema em ‘avisar’, nos bons textos de sua autoria, que “não vai à bola com o Acordo Ortográfico”, poderia muito bem ser, aqui na Alta Estremadura, um pequeno mas valioso bastião da Reconquista da Língua. E, já agora, o Rodilha. Como estamos de ortografia? Cada uma escreve como entende? E porque não enfileirarmos todos na Reconquista?…

4. ESTE TEXTO, nos seus primeiros três pontos, foi publicado em O Correio de Pombal de 01.03.12, p. 10, e será em o Rodilha. As postagens estão no blogue. Ao receber as revistas do meu sindicato – SPGL – e da federação em que se integra – FENPROF – poderão calcular os meus queridos e admirados colegas dirigentes dessas instituições a tristeza (para não dizer coisas mais fortes) que me invade quando as leio e verifico quão é prejudicada a sua força de luta que têm demonstrado e em que eu me reconheço pela adopção (adoção… ou será adução?…) “dessa coisa obscena chamada acordo ortográfico” (Cf. Vasco Graça Moura). O bons dirigentes Nogueira e Avelãs, e companheiros, se calhar mais papistas do que o papa (quem os obrigava?…), resolveram estragar as revistas lançando nelas a “criminosa” (de novo VGM) estragação da Língua que, “criminosamente” (idem) está em curso. Só por isso, vejam vocês, apetece-me “desarriscar-me”.

Aqui, da retaguarda dos fragilizados, um forte abraço (pela luta que não pela escrita!), do

António Marques (SPGL, nº037094)

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: