Mensagem aos dirigentes do SPGL e da FENPROF e aos directores (ou “diretores”?) das suas revistas

“Sindicalizado MAIS FORTE” (realçado da capa da revista do SPGL ESCOLA|Informação, nº 251, março [sic] 2012

“Documento do governo / Aplicação à administração pública do acordo para o setor [sic] privado” (título na revista JF, da FENPROF, nº 258, março [sic] 2012, página 8.

Para ser “sindicalizado mais forte” (slogan da capa da revista do SPGL), só vejo um caminho a seguir. Não me des-sindicalizar, não! Mas sim, continuando sindicalizado, suspender a assinatura das revistas acima citadas, pela razão de, sem o voto dos sócios (que ninguém pediu), terem as duas adoptado (ou adotado?) essa “coisa obscena chamada Acordo Ortográfico” (VGM). E porquê? Porque eu acho que os responsáveis de sindicatos de professores, em Portugal, não tinham (não têm) o direito de, sem consultar os sócios, ortografarem (melhor: heterografarem!…) as suas/nossas revistas naquele esquisito português que estão a querer impor aos falantes de Portugal. (Esperem, esperem! Eu gosto de ouvir os brasileiros falar o brasileiro. Eu acho que o brasileiro é, depois do italiano, a mais cantante das línguas novilatinas. Mas a língua “adotada” nas revistas, nem é português nem é brasileiro, meus caros…).

Olhem, por exemplo, para o problema das consoantes mudas, que é certamente um dos aspectos mais graves da questão, e que já foi objecto de uma postagem neste blogue. Mas temos já aqui, na citação supra da FENPROF, um patusco exemplo: “setor privado”. (Confrontar, então, a tal postagem sobre as “mudas”).

Vejam vocês bem esta coisa. Fiz um dia, a mim próprio, o juramento de suspender todas as assinaturas, de jornais e revistas que “adotassem” o AO. O primeiro foi o Jornal de Letras, mesmo antes, bem longe disso, de esgotar a assinatura paga. Depois foi o Diário de Notícias, que deixei de comprar todos os dias. Hoje, só mantenho duas assinaturas, dois jornais, que, como eu, teimosamente insistem em não “adotar” o Acordo: O Amigo do Povo, do meu amigo padre Ventura Pinho, e o Avante!. Olhem bem para estes dois exemplos. Para o processo, inevitável, da “reconquista”, estarão, assim, evitando a trabalheira e os custos da inevitável revertência…

E, voltando agora às revistas do meu sindicato, só queria ainda receber o próximo número, se tiverem a coragem de nelas publicarem esta mensagem (com a ortografia por mim usada, sem qualquer tradução). Depois, suspendam a minha assinatura delas até voltarem a ortografá-las em português, lídimo, não em brasileiro (com todo o respeito atrás sugerido!).

Um abraço do sócio n.º 037094, assim se considerando “sindicalizado mais forte”,

António Marques

Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: