“Padre António Vieira – Obra Completa” (Círculo de Leitores)

padre-antonio-vieira_header

1. Carta ao Círculo de Leitores

Exmos Senhores,
Tendo conhecimento da vossa edição da OBRA COMPLETA do grande Padre António Vieira, fiquei muito interessado em saber se a v/ iniciativa usou a ortografia do português vernáculo – reforma de 1945 – a única que considero hoje legítima e digna do grande construtor da Língua de Camões. É que, se porventura estragaram a SUA OBRA usando uma bárbara língua chamada Acordo Ortográfico, desistirei, incondicionalmente, de adquirir a ‘VOSSA OBRA’. Prefiro passar por um alfarrabista e comprar nem que seja só os Sermões, mesmo com a ortografia original.

Com os meus cumprimentos.

Pombal, 9 de Abril de 2013
António Marques

2. Resposta do Círculo de Leitores

“Aceite os melhores cumprimentos do Círculo de Leitores.

O Acordo Ortográfico está em vigor, foi ratificado por Portugal em 2008; todas as instituições públicas e respetivas publicações seguem o AO; o Ministério da Educação implementou um calendário de adoção do AO que começou em setembro de 2011, tornando obrigatória, desde essa data, a progressiva utilização da nova ortografia nos manuais escolares; uma parte significativa dos livros que publicamos pelas chancelas do Grupo Bertrand-Círculo também.

No que respeita à produção editorial, a regra no Grupo Bertrand-Círculo é a utilização da nova grafia, nomeadamente no caso de traduções.

São sempre admitidas exceções nos textos de autores portugueses, ou de língua portuguesa, sempre que essa seja a vontade manifestamente expressa pelo autor – à semelhança, aliás, do que se passa na maior parte da imprensa.

Dada a dimensão da Obra Completa de Padre António Vieira, cuja publicação agora se inicia, foi necessário optar por uma única norma em toda a sua extensão. Como noutros casos, esta decisão foi tomada em conjunto com os diretores da Obra.

Cordialmente,

Filomena Rodrigues
Atendimento a sócios
Direção Comercial”

3. Contra-resposta minha

Exmos Senhores,
Imaginem Vossas Excelências que (e cito-vos) “são sempre admitidas exceções…” (penúltimo parágrafo, linha 1) [que ex-sessões?… – posso eu perguntar]… Bastaria este exemplo para confirmar a teoria que vou provar no meu blogue sobre as tais consoantes do Acordo, ditas “mudas”…

Esta lei ilegítima, no único espaço lusófono chamado Portugal, é bem a prova daquilo que eu já escrevi no blogue. Não bastava o Alcácer-Quibir do Sebastião! Não bastava o Alcácer-Quibir do Passos! Faltava só o Alcácer-Quibir da Língua de Camões (o tal AO)! Eu, por mim, preferi suspender todas as assinaturas que ‘adotaram’ (ou ‘adutaram’?… ou ‘aduziram’?…) essa língua bárbara chamada Acordo Ortográfico!

O Círculo de Leitores nunca me enganou. E cada vez menos.

Com os meu cumprimentos.

Pombal,  11 de Abril de 2013
António Marques

Uma resposta

  1. Apoio! Quer para o Padre António Vieira quer para qualquer outro autor digno desse nome! O mesmo se aplica a qualquer editora ou periódico.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: