Só uma pergunta não retórica

Quem perde alguma coisa valiosa, mesmo que não seja mais do que… uma maioria absoluta, ganha ou perde? Ou trata-se tão-só e apenas de uma questão de saber se dois verbos antónimos (perder><ganhar) podem tornar-se sinónimos (perder=ganhar)?… Pergunta “não retórica” porque só pode ter uma resposta!

Anúncios

Logro/lucro, lograr/lucrar

RESPOSTA A UMA RESPOSTA

“Amigo,

Preciso de referências bibliográficas para um trabalho acadêmico em que abordo apenas superficialmente a etimologia do lucro antes de adentrar no tema central. Será que você pode me passar? Lhe serei eternamente grato.

Bruno Caraciolo

(81) 9606-7464”

Amigo,

1. Responderei apenas com a prata da casa, a saber, recorrendo tão-só ao material de trabalho que me rodeia aqui, pois não tenho, por agora, condições para me sujeitar ao pó das bibliotecas…

2. Antes de mais, quero acrescentar, aos dois dicionários que citei na postagem, mais três dos que tenho aqui ao lado: o da Academia das Ciências de Lisboa que, na entrada “logro”, considera também “desusado” como sinónimo de “lucro”; o Houaiss, que na entrada “logro”, tem a acepção “1 ant. ganho material, lucro, proveito” (abreviatura ant., segundo a chave, significa antigo, correspondendo a Desus. do Lello); e o Aurélio, que na entrada ‘logro’, acepção 4, tem a mesma coisa: ant.

3. Nos meus dicionários latinos, procurei a possível ligação entre o radical de lucro e o radical de luxuria (leitura latina lucsuria) e lux (leitura lucs). A este respeito, o Torrinha não me ajudou nada, mas a proximidade semântica sim: lucrum, luxuria, lux, todas nos remetem para certa euforia, alegria, brilho, ganância e até obscenidade, conceitos que vemos hoje bem apegados à palavra “lucro”…

4. No que o Torrinha me alargou caminho foi ter registado, na entrada “lux, lucis”, o seguinte parêntese recto, assim tal e qual: “[luc <*leuk ‘brilhar’]” (com sinal de longa, que eu não sei como pôr em cima do ‘u’ do radical latino). Ora “leuk” remete-nos para o adjectivo grego leukos que significa “branco” e que aparece numa porção de palavras cognatas, no dicionário grego e nos nossos dicionários, como, por exemplo, “leucócito”, “leucemia”, etc. (Não transcrevo em caracteres gregos, porque já sei que o browser estraga tudo…). Com a prata da casa, lá consegui chegar ao grego…

5. Mais uma coisinha que me está fazendo cócegas na cabeça e que podia muito bem ser, para o apresentador do referido programa, objecto de uma pergunta de jogo da língua. Seria assim: “das palavras divergentes ‘logro/lucro’, ‘lograr/lucrar’, qual delas se instalou primeiro como vocábulo da língua?” Lucro? Não, senhores. Regra geral, a mais antiga é a que nos veio por via popular. E quem souber um bocadinho da história da língua, há-de lembrar-se que as divergentes que nos vieram por via erudita o foram através dos literatos, poetas e escritores do século XVI, como Camões, Ferreira, Miranda e outros ilustres, que promoveram a grandiosa iniciativa de enriquecer o Português Moderno, indo buscar ao latim as palavras que serviram de étimo às que agora chamamos divergentes por via popular. Vamos aos dois pares que nos servem de título. Basta consultar um bom dicionário etimológico, por exemplo o de José Pedro Machado. Quanto a “logro”, lá se regista a sua data de entrada na língua no século XV; para “lucro”, só no século XVII; “lograr”, séc. XIII; “lucrar”, séc. XVII. Confirma a regra.

6. Se das minhas notas você puder tirar alguma ideia proveitosa, não quero que me fique eternamente grato: as palavras da família do advérbio, não tarda que sejam arcaísmos. Quanto a mim, já o são: não creio na absurda eternidade…

Sem proveito ou com algum dele para si, um abraço para você.

António Marques

Nota:
Dicionários que me serviram e que cito:

–Dicionário Complementar da Língua Portuguesa, Augusto Moreno, Edição de 1936
–Dicionário Prático Ilustrado, Lello & Irmãos Editores, 1981
–Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, Academia das Ciências de Lisboa, Edição Verbo,2001
–Dicionário HOUAISS da Língua Portuguesa, Edição Círculo de Leitores, 2002
–Novo AURÉLIO, O Dicionário da Língua Portuguesa Século XXI, Editora Nova Fronteira,1999
–Dicionário Latino – Português, Francisco Torrinha, 2º edição, Edições Maranus, 1942
–Dicionário Português-Latino, Francisco Torrinha, Domingos Barreira Editor, Porto, 1939
–Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, José Pedro Machado, Livros Horizonte, 3ª edição, 1977
–Dicionário Grego-Português e Português-Grego, P. Isidro Ferreira, S.J. , 5ª edição 1976

Logro/lucro, lograr/lucrar

Pessoa amiga veio ter comigo para me dizer que, em programa de José Carlos Malato na RTP, ‘Quem Quer Ser Milionário’, a questão linguística era: “qual destas quatro palavras – lucro, farto, largo, fundo – é sinónima de logro“?

A minha resposta imediata foi que, rigorosamente, e tendo em conta o uso actual do português lídimo, nenhuma das quatro se pode dizer que é sinónima de logro; nem mesmo a que terá sido dada como resposta certa: lucro. Vejamos.

Logro e lucro, etimologicamente, são divergentes (=derivam do mesmo étimo latino, lucru). Porém, o processo do uso da língua, como acontece com frequência, afastou semanticamente as duas palavras (vide evolução semântica): lucro é ganho, é ganância, é proveito; logro é engano, é ludíbrio, é ardil. E não é por acaso que o registo dos bons dicionários vai nesse sentido :

“Logro, (L. lucru), m. Acto ou efeito de lograr; burla; engano propositado; ardil.

Lograr. t..Fruir; possuir; gozar; conseguir; alcançar; enganar, entrujar.

Lucro, (L. lucru), m. Utilidade; ganho; proveito; produto livre de despesas.

Lucrar, (l lucrare por lucrari, t. e int. Ganhar; aproveitar; ter interesse; tirar lucros” (Dic. Complem. de Augusto Moreno)

Logro, s. m. (lat. lucru). Acto ou efeito de lograr. Ardil, fraude, enredo Desus. Lucro, interesse. Pop. Pulha, partida ou peça de Entrudo.

Lograr, v., t (lat. lucrari) Gozar, fruir, desfrutar, possuir […]. Aproveitar, tirar lucro de. Enganar com astúcia ou por gracejo; burlar […]; conseguir; alcançar […]; – V. r. Desus. Aproveitar-se, gozar. Fig. Aumentar-se.

Lucro, s. m. (lat. lucru). Ganho, benefício […]; utilidade, vantagem.

Lucrar, v. t.(lat. lucrare por lucrari). V. i. Ganhar, tirar lucros, vantagens de alguma coisa. V. t. P. us. Gozar” (Lello Prático Ilustrado)

Notas
1. Para justificar a minha resposta imediata, que  aqui confirmo e aprofundo, transcrevi as anteriores três entradas de dois dicionários que muito prezo. Note-se que, na entrada logro do Lello, a abreviatura ‘Desus.’ que quer dizer ‘desusado’, ‘caído em desuso’, serve para nos lembrar que, com esse sentido (sinónimo de ‘interesse’) deixou de se usar. Lembro que o Lello citado é edição de 1981, e o A. Moreno é de 1936.

2. Era bom que os supervisores (os responsáveis pela linguística da coisa), em qualquer ‘Jogo da Língua’,  fossem gente competente, competência que se pode revelar logo na pergunta a fazer, no enunciado da questão. Competentes em gramática, em linguística, na semântica, na evolução semântica, na etimologia, na língua-mãe da nossa, etc. Até já fui tentado a pensar que, às vezes, esses ‘supervisores’ fogem do latim, da etimologia, mesmo da semântica, como o diabo da cruz…

3. Isto está muito longe de acontecer, por muito que o/a responsável seja anunciado/a como professor/a, supomos nós que de nível universitário… Convido os meus deparantes de acaso ou adrede visitantes a pesquisarem todas as postagens deste blogue que abordem questões do ‘Jogo da Língua’. Experimentem.

4. Gosto bastante do Malato, pela cultura geral que revela, com segurança, e o cuidado na preparação dos programas. E, só por isso, às vezes vejo os seus programas. E até desconfio que, se calhar, vai concordar comigo, embora não o ‘possa’ revelar ao seu supervisor linguista…

5. Concluindo. Lucro sinónimo de logro? Parece que o terá sido em algum tempo, mas, na linha diacrónica da língua, poderemos dizer que a evolução semântica levou a que deixasse de o ser.., o que não se terá dado com o par verbal lograr/lucrar.